MEC diz que vai testar projeto de educação integral no ensino fundamental em 40 escolas

MEC diz que vai testar projeto de educação integral no ensino fundamental em 40 escolas

Objetivos de 2020 para a educação básica foram divulgadas nesta quinta-feira (26) em nota no site do Ministério da Educação. O Ministério da Educação pretende, em 2020, elaborar um projeto-piloto de implantação de ensino integral com turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental de 40 escolas. Segundo nota divulgada no site oficial do MEC nesta quinta-feira (26), o secretário de Educação Básica, Janio Macedo, afirmou que a proposta é trabalhar com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) "para desenvolver um programa que será lançado oficialmente em 2021".

Um dos objetivos é combater a evasão escolar. "Se analisarmos o nosso percurso educacional, vamos verificar que, do 5º ano para o 6º ano do ensino fundamental e do 9º ano para a 1º série do ensino médio, perdemos muitos estudantes. Seja por abandono ou repetência", explicou ele.

Para o ensino médio, o secretário disse que o programa Ensino Médio em Tempo Integral deve ser ampliado para 500 novas escolas e 40 mil novas vagas, chegando a um total de 1.527. No início do ano, 9,5% das matrículas no ensino médio eram em tempo integral.

Evolução da taxa de matrícula em tempo integral no ensino médio

Alexandre Mauro/G1

Um estudo divulgado pelo Jornal Nacional em setembro aponta que apenas 2% das escolas públicas de ensino médio oferecem condições satisfatórias de aprendizado (assista ao vídeo abaixo):

Pesquisa revela que apenas 2% das escolas públicas de ensino médio têm desempenho bom

Já na Educação de Jovens e Adultos (EJA), Macedo disse que o objetivo do MEC é "que todo o conteúdo esteja ligado ao ensino técnico e profissional". Segundo o secretário, "o que prende essas pessoas a continuarem seus estudos mesmo fora da idade correta é a oportunidade de desenvolverem um novo ofício".

Construção de creches

Nesta quinta-feira, o MEC disse ainda que "o Proinfância será reestruturado para atingir melhor sua razão de ser: a construção de creches e pré-escolas e aquisição de mobiliário e equipamentos para as instituições".

O programa Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (Proinfância) existe desde 2007. Um relatório de 2018 da Controladoria-Geral da União (CGU), porém, calculou que o programa já registrou um prejuízo de cerca de R$ 800 milhões aos cofres públicos por obras não concluídas.

Fachada da creche do próinfância em Lagoa da Prata

Divulgação