Sem agenda, Bolsonaro vai a lotérica em Brasília para fazer apostas na Mega da Virada

Sem agenda, Bolsonaro vai a lotérica em Brasília para fazer apostas na Mega da Virada

Presidente tirou fotos com simpatizantes e disse que fez 'dois joguinhos'. Sorteio será realizado no dia 31 de dezembro e prêmio pode chegar a R$ 300 milhões. Presidente Jair Bolsonaro tira foto com simpatizante após fazer aposta em lotérica de Brasília

Guilherme Mazui

O presidente Jair Bolsonaro foi a uma lotérica na manhã desta quinta-feira (26), em Brasília, para fazer sua aposta na Mega da Virada.

Bolsonaro deixou a residência oficial do Palácio da Alvorada, passou pelo Palácio do Planalto e, na sequência, foi até a Lotérica Cruzeiro do Sul para fazer "dois joguinhos".

As apostas para a Mega-Sena da Virada começaram a ser registradas em 11 de dezembro e o prêmio estimado é de R$ 300 milhões para quem acertar as seis dezenas, segundo a Caixa Econômica Federal.

O sorteio será realizado no dia 31 de dezembro de 2019.

Como ocorre em todos os concursos especiais, o prêmio da Mega-Sena da Virada não acumula. Caso ninguém acerte os seis números, o prêmio será dividido entre os apostadores que acertarem cinco dezenas, e assim por diante.

Em 2018, o valor estimado era de R$ 200 milhões, no dia do sorteio chegou a R$ 302,5 milhões e 52 apostas dividiram o prêmio.

Bolsonaro conversou com funcionários e tirou fotos durante a aposta. Na saída, ele afirmou que o bilhete premiado sairá da lotérica em que ele fez as apostas.

"Fiz dois joguinhos só, não vou falar o valor", afirmou.

Ainda no Palácio da Alvorada, enquanto Bolsonaro conversava com apoiadores, o jornal "O Globo" fotografou o presidente com os números 13, 24 e 25 anotados na palma na mão.

Perguntado na lotérica sobre os números da aposta, Bolsonaro disse que pegou as sugestões de números com apoiadoras na frente do Alvorada e que o "13 não é PT, não".

Prêmio da Mega da Virada pode chegar a R$ 300 milhões

Clube do Exército

Após deixar a lotérica, Bolsonaro seguiu para o Clube do Exército, também em Brasília. Em seguida, o comandante do Exército, Edson Pujol, também chegou ao local.