Países em desenvolvimento acusam Brasil de tentar bloquear avanço em negociações na COP 25

Países em desenvolvimento acusam Brasil de tentar bloquear avanço em negociações na COP 25

Apesar das grandes manifestações em favor do clima que ocorreram pelas ruas da capital da Espanha na sexta-feira passada, as esperanças de uma declaração ambiciosa na conferência foram reduzidas pela realidade política. Jovens se reúnem na capital espanhola, cidade-sede da COP 25, para marchar em defesa do clima na sexta-feira (6)

Cristina Quicler/AFP

Representantes de países em desenvolvimento reagiram com irritação ao que eles veem como tentativas de bloquear o progresso da reunião da COP 25, conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima que ocorre em Madri entre os dias 2 e 13 de dezembro.

Um negociador afirmou à BBC que não houve consenso em relação a uma série de temas, segundo ele, em razão das tentativas de bloqueio por parte de alguns grandes responsáveis por emissões de gases de efeito estufa, incluindo o Brasil.

Carlos Fuller, de Belize, disse que Brasil, Arábia Saudita, Índia e China eram "parte do problema". Outros observadores, além disso, afirmaram que existe um sério risco de fracasso nas conversas durante o encontro, em que ministros de todas as partes do mundo participam de negociações de alto escalão que irão determinar o resultado final da conferência.

Apesar das grandes manifestações em favor do clima e da conferência que ocorreram pelas ruas da capital da Espanha na sexta-feira passada, as esperanças de uma declaração ambiciosa na COP 25 foram reduzidas pela realidade política e por algumas posições irredutíveis.

Greta Thunberg participa de evento paralelo à COP 25

Urgência climática

O objetivo central da reunião é elevar o nível de exigência para a agenda ambiental e montar um plano pelo qual os países apresentarão novos compromissos climáticos antes do fim do ano que vem.

Mas já há sinais de que alguns dos principais emissores estão tentando limitar a escala do que pode ser alcançado em Madri.

"Há um esforço em curso para bloquear os termos 'urgência climática' do texto por parte do Brasil e da Arábia Saudita, dizendo que não usamos esses termos antes na ONU, então não podemos usar agora", disse Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace Internacional. "É muito frustrante."

Procurado pela BBC News Brasil, o ministério do Meio Ambiente não se pronunciou sobre o tema.

Tentativas de limitar avanços e transparência

Negociadores afirmaram à BBC que o objetivo de alguns países era limitar o acordo em questões não-contenciosas.

"Eu estou muito consternado e furioso", disse Carlos Fuller, negociador-chefe para o grupo dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento.

Negociadores do mercado de crédito de carbono foram acusados de atropelarem direitos humanos em busca de lucro.

"Até as 2h30 desta manhã nós não concordamos em continuar trabalhando em uma abordagem de transparência, para que o mundo saiba o que cada país está fazendo, não conseguimos concordar em trabalhar nisso. É ridículo."

Uma questão que despertou ira entre os negociadores foram as tentativas de Brasil, China, Índia e Arábia Saudita de incluir no acordo geral de Madri uma reavaliação de prazos anteriormente previstos para 2020 - especialmente os dos compromissos de países ricos.

Carlos Fuller diz que o foco em retroceder por parte desses países que são grandes emissores não ajuda no progresso da agenda.

"Eles são parte do problema, e eles estão olhando muito para trás para dizer que os países desenvolvidos não fizeram o que deveriam ter feito e, consequentemente, nós não vamos fazer a mesma coisa."

"Eu discordo totalmente disso. Nós estamos todos neste planejamento juntos. Precisamos reconhecer os erros do passado, e não replicá-los."

Fuller disse que essa abordagem nas negociações de flertar com o perigo para disputar quem é mais forte é uma ameaça a todo o sucesso das conversas durante a COP 25.

Acordo de Paris

Em discurso oficial ontem na plenária da COP 25, o ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, afirmou que implementar o Artigo 6 do Acordo de Paris é um passo crucial para demonstrar o compromisso dos países desenvolvidos com as nações em desenvolvimento.

O acordo, adotado no fim da COP 21, na capital francesa, tem como principal objetivo que o aumento da temperatura média do planeta não supere os dois graus centígrados. O Artigo 6 faz referência a mecanismos de mercado que apoiem a implementação dos compromissos de corte de emissões de carbono, mas ainda não foi viabilizado.

Salles também conclamou países para resolver as lacunas referentes ao financiamento dos créditos de carbono. "Hoje, o fundo tem meros cem milhões de dólares, provavelmente menos do que o custo da organização das COPs. Precisamos ir além das palavras bonitas e fornecer os recursos que possam atender efetivamente às necessidades dos países em desenvolvimento."

A COP 25 e o futuro do meio ambiente

Esperança reduzida

O ânimo entre os militantes também anda fraco, já que parece haver pouca esperança de progresso em duas das principais questões que precisam ser resolvidas durante o encontro em Madri. Uma é a questão dos mercados de carbono e a outra é a das perdas e danos.

Uma das principais questões em relação aos mercados de carbono é a questão de carregar créditos antigos. Alguns acreditam que se os esforços do Brasil e de outros em levar adiante bilhões em créditos criados em esquemas antigos e já em desuso forem bem-sucedidos, eles podem levar ao fracasso todo o acordo de Paris.

Houve alguns sinais positivos na conferência, no entanto, com o candidato à Presidência dos EUA, Michael Bloomberg, que disse na reunião que a primeira medida dele se for eleito será voltar a fazer parte do Acordo de Paris - abandonado pela gestão de Donald Trump.

"Eu espero que eles apoiem uma coalisão de países que lutem contra essa forças obscuras aqui em Madri que querem impedir o mundo de avançar", disse Jennifer Morgan, do Greenpeace. "Senão, será um fracasso moral."